Para Deli Matsuo, fundador da Appus, a análise de dados dos funcionários vai permitir com que as empresas tomem melhores decisões na gestão de pessoas

O patrocínio não pode ser associado ao enredo; deve haver uma parceria entre escola e patrocinador 

O custo de um desfile do grupo especial de escolas de samba do Rio de Janeiro, que dura cerca de 82 minutos uma vez por ano, gravita em torno dos R$ 10 milhões. O gestor conta com uma receita inicial de aproximadamente R$ 4 milhões, oriundos das cotas de transmissão para a televisão e também do poder público, e a outra parte tem vindo, nos últimos tempos, de um patrocínio associado ao enredo.

A maioria das empresas faz pesquisa com clientes para medir-lhes a satisfação, identificar possibilidades de melhoria ou simplesmente permitir que os descontentes desabafem. A abordagem parte de uma mentalidade pessimista e focada em problemas. “Os clientes foram condicionados a sempre procurar o que está errado”, diz Sterling Bone, professor associado de marketing da Huntsman School of Business, no estado de Utah. Na verdade, a grande maioria das pesquisas sobre atendimento ao cliente trata da “recuperação de serviços” – que fazer quando um cliente se queixa. Durante um curso de estudos bíblicos, quase uma década atrás, Bone refletiu sobre o poder da gratidão e começou a se perguntar o que aconteceria se se esse sentimento fosse mencionado em pesquisas com clientes. E se em vez de as empresas perguntarem a eles o que deu errado perguntassem o que deu certo?

Em 2016, o número de robôs da empresa aumentou 50% e a quantidade de funcionários cresceu na mesma proporção, segundo o site Singularity Hub

Gemma é extremamente gentil e sensível. Ela presta bastante atenção às emoções dos outros, é amável e atenciosa. Gemma também é muito otimista. Ela costuma ser animada e sempre se mantém positiva, mesmo com a possibilidade de más notícias. Seus colegas adoram trabalhar com ela porque a veem como um ninho de calmaria. Independente do estresse e pressão presentes no trabalho, Gemma é entusiasmada e nunca perde a linha.

O chefe de Gemma gosta de trabalhar com ela, já que ela raramente faz reclamações, é confiável e leal, e também mostra altos níveis de cidadania organizacional. De fato, Gemma é extremamente confiável e ética. Além disso, sua personalidade ainda denota engajamento no trabalho, mesmo quando seu chefe não a orienta da melhor maneira.

Na tentativa de atrair novos talentos recém-saídos da faculdade, diretores-presidentes estão passando mais tempo em campus universitários.

Como os formandos em MBAs e pós-graduação gravitam em torno das principais empresas de tecnologia, as empresas de outros setores estão mais ativas na busca de novos funcionários. Alguns, como o diretor-presidente da Cargill Inc., David MacLennan, fala pessoalmente com os principais candidatos na expectativa de que um contato diretamente com o líder da empresa atraia o candidato.

orb.digital