Na história da humanidade, criar mitos a respeito de poderes sobrenaturais para qualquer tipo de situação que foge ao domínio comum é muito recorrente. Com o Marketing não é diferente, pois esta importante Estratégia Organizacional cresceu muito desde os anos 50 e atualmente conta com infinitas publicações que abordam pontos de vistas diferentes para cada elemento de sua definição. Analisando toda essa evolução, destaco (sob o meu ponto de vista) o que julgo serem os DEZ MITOS DO MARKETING.

O economista comportamental Dan Ariely defende que o ambiente e os pequenos detalhes têm uma grande peso na hora de fazermos escolhas.

Na Europa, o número de cidadãos que se declaram doadores de órgãos pode variar drásticamente de país para país. Na Bélgica, 98% da população é doadora, enquanto na vizinha Holanda apenas 28% das pessoas estão dispostas a doar — apesar de campanhas de conscientização do governo. Onde está a resposta para tal contraste? Onde você menos imaginaria: no formulário que a população tem de responder. Na ficha de belgas, franceses e poloneses, as pessoas marcam um "X" caso não queiram doar. Na de holandeses, britânicos e dinamarqueses, é o contrário - eles marcam caso queiram. A chave não está em quem é mais altruísta, mas no simples fato de fazer uma ação - neste caso, marcar o simples "X".

Acredite ou não, a mesma lógica se aplica a muitos cenários na vida. É o que defende o economista comportamental Dan Ariely, autor dos best-sellers "Previsivelmente Irracional" e "Positivamente Irracional". Professor emérito da Duke University, ele é especialista em explicar como as pessoas agem em diferentes ambientes e o que há por trás de suas decisões. Para o estudioso, a arquitetura da escolha na história dos formulários estava sob o controle de quem fez as fichas, não das pessoas. "Mas não tem a ver só com formularios. E temos uma intuição muito fraca em relação a isso", afirma Ariely.

O economista Dan Ariely em palestra nesta quarta-feira (11/11) em São Paulo (Foto: @_openspace_)

orb.digital