Analisamos dados de mais de 4 mil gestores dos Estados Unidos em diversos mercados e funções coletados pela Personnel Decisions International, firma de consultoria especializada em avaliação, seleção e desenvolvimento de liderança. Descobrimos que os executivos são vistos por seus colegas e subordinados como bem menos abertos a opiniões alheias e contrárias do que eles se consideram.

A aplicação de perspectiva da cadeia de suprimento à gestão de talentos segue quatro princípios.

Veja o resumo a seguir:

Quando você mora ou trabalha com alguém por um tempo, é cômodo assumir que eles podem ler sua mente e que você pode ler a deles. Quer seja um cônjuge ou um colega de longa data, talvez você pressuponha que sabe o que eles pensam e que você pode economizar tempo e esforço evitando explicações detalhadas. Infelizmente, porém, ler a mente é um atalho arriscado, e o mais provável é que o tiro saia pela culatra.

A diferenciação de uma companhia no mercado não passa somente pelo investimento em novas soluções, tecnologias recém-lançadas e incremento de portfólio. Passa, também, por um novo olhar sobre a cultura da empresa – o que exige ressignificar valores, crenças, ritos, símbolos e comportamentos adotados, de forma que esse conjunto esteja alinhado à execução da estratégia da corporação e não somente registrado nos relatórios, site e outros materiais de comunicação.

Reuniões bem administradas permitem a você e sua equipe resolver problemas, definir planejamentos e realinhar objetivos. Elas são essenciais para o sucesso da sua equipe, e ainda assim nunca parece haver tempo suficiente para planejá-las e realizá-las adequadamente. Talvez esteja na hora de reavaliar se você realmente precisa presidir suas reuniões.

Apesar de ter em seu currículo as habilidades de analista de Recursos Humanos desde 1984, a americana Liz Ryan levou um susto quando, de repente, se viu deslocada para esse setor da empresa. Funcionária de um setor ligado à Logística, ela não concorreu a uma vaga de RH: a ordem partiu de seu chefe. Em artigo publicado na Forbes, ela decidiu contar o que mudou em sua perspectiva profissional após a recolocação. “O choque de culturas foi imediato. Minha sala tinha uma janela, e cortinas para me dar mais privacidade. Eu podia olhar pela janela e observar os funcionários fazendo seu trabalho”, contou.

orb.digital